Arquivo mensais:junho 2007

Intercâmbio 16/06/2007

É claro, esse blog acima de tudo é pessoal. Então não poderia deixar de citar um evento legal que teve.

A minha igreja (Comunidade Batista Nova Floresta), ou melhor, o ministério de Jovens fez um intercâmbio com os jovens da Igreja Bíblica da Pampulha (orkut). Como eles foram lá na nossa igreja no dia 05/06, dessa vez foi o nosso retorno.

Vou fazer um review rápido:

  • Intodução pelo Alex, pastor da IBP.
    Ele deu uma misturadinha entre o pessoal das igrejas. Tonhão ficou sozin. =D
  • Ministério de Louvor dos Jovens (Calebe, Deborah, Edson, Marquinhus e Renata).
    Gostei. Achei muito bom, embora eu escolheria algumas outras músicas (claro). ★★★★☆
  • Ministério de Dança. (Sarah — minha prima .. =P — e Amanda)
    Uma bela³ apresentação. Não esperava tanto delas, não pelo “potencial”, mas porque formou há pouco tempo lá na igreja. Show! Que continuem com essa dedicação! ★★★★★
  • Pregação do Pr. Daniel.
    Muito boa palavra. Destaque para a lembrança do texto que coloquei no blog, do Pr. Jeff. E uma situação hilária é que ele continua com as piadinhas, e que quem não conhece (ou seja, o pessoal da IBP) ri, e a gente acaba rindo por conseqüência. ★★★★☆
  • Apresentação de 2 sketchs.
    Muito legal!.. Gostei também. Ainda mais porque tiveram pouco tempo pra ensaiar, depois de escolhê-las. Destaque, claro, para atuação do Miguel (membro, diácono, zelador e agora “ator” da nossa igreja), que faz as caras mais hilárias. ★★★★★
  • Mini-gincana.
    Foi legal, no mesmo estilo que teve lá na nossa igreja. Pena que num foi a do “caça-ao-tesouro”, a Deborah foi deixando pra última hora.. =P ★★★★☆
  • Lanche!
    Nuh! Sem comentários… porque o caldo de feijão tava muito³ gostoso. E pra completar, COCA-COLA!.. =D .. ★★★★★ (“Brigado, mãe da Mari!!”)

Ainda no final foi legal, porque várias pessoas da nossa igreja conversaram, entrosaram, trocaram orkuts e msn‘s com o pessoal da IBP. Que continuem o contato, porque o pessoal de lá é bem divertido!.. Converso com alguns no msn. E que venha um acampamento conjunto no segundo semestre!.. =D

Depois de lá, ainda fomos no “Burquer & Cia” lá perto, porque algumas pessoas não comem caldo (=P), e eu (de gula) ainda comi um hámburguer + suco de açaí com laranja (omg!). Chegou no almoço de domingo, aquela lasanha deliciosa e eu agüentei só um pedaço (=/).

Bom, acho que no mais foi isso mesmo. Nem sei se esqueci algum detalhe, qualquer coisa se alguém (ler e) achar que faltou alguma coisa, me fala.

Dúvidas, sugestões, mágoas, anedotas do Daniel (omg! .. =D), denúncia, elogio, reclamação, recado, trocas de msn… nos comentários abaixo, plz!

fotos (link pro álbum »):

=D

Dublagem – “Flagpole Sitta” de Harvey Danger

Quando eu vi esse vídeo pela primeira vez pensei “por que eu num tenho um blog pra postar (e divulgar)?!” … É muitooo legal!

“Flagpole Sitta” de Harvey Danger:


feito na Connected Ventures

Fala que você num queria trabalhar num lugar como esse?..

outro vídeo:

Eu ia gostar!
=D

(cuidado, eles estão contratando)

Última Geração Cristã?

Li o texto no site do ministério do Pr. Jeff, Geração Benjamim. Fiquei um pouco impressionado e ainda torço pra algumas dessas estastísticas que ele cita abaixo estarem, pelo menos um pouco, distorcidas. O pior é que não devem estar. Abaixo segue o texto na íntegra… Leia até o fim!

A Última Geração Cristã

Esse é o titulo de um livro de Josh McDowell que eu acabei de ler recentemente, e ele não poderia ter vindo em melhor hora. Meu amigo líder, nós, que trabalhamos com essa geração, sabemos muito bem como está a situação. Não adianta mais fingir que tudo é benção, sucesso e bla, bla, bla. O fato é que nós estamos perdendo essa geração e nós sabemos disso. Eu, pessoalmente, conheço várias igrejas que tinham literalmente centenas de jovens nos seus grupos, e que eram pontos referenciais na nação, mas hoje em dia tem 15 a 20 no mesmo lugar. Será que isso não é meio óbvio? Será que não há algo errado além do ditado (desculpa), “Eles são rebeldes”? Eu fico pirando na minha cabeça tentando entender o que está dando errado e como nós podemos consertar a situação. Parece que estamos vivendo nos tempos de Jesus quando Ele falou, “Mas com quem posso comparar as pessoas de hoje? Com quem elas são parecidas? Elas são como crianças sentadas na praça. Um grupo grita para o outro: “Nós tocamos músicas de casamento, mas vocês não dançaram! Cantamos músicas de enterro, mas vocês não choraram!” (Lucas 7.31-31) Parece que nada dar certo.

E eu fico mais louco ainda pensando nos pastores titulares que, aparentemente, não estão percebendo a grande falta de jovens nas suas igrejas. Eu prefiro pensar que eles não estão percebendo, ao invés de pensar que eles não ligam. Será que eles iam se ligar um pouco mais se cada um desses jovens fossem um dizimista fiel na igreja? (Calma, é só uma pergunta). Ainda assim, nós estamos embaixo da realidade de que estamos perdendo essa geração. Mas, por que?

“Existem duas razões principais do ‘por que’ a igreja hoje em dia não está alcançando os jovens. A primeira é que ela simplesmente não está tentando alcançar eles. Não há prioridade ou propósito. A segunda é que muitos líderes e adultos não entendem os jovens.”
(Dr Thom Rainer)

Para podermos alcançá-los, temos que entendê-los; entender os seus sonhos, seus desejos e os seus medos. Tentar alcançar eles ou ministrar nas suas vidas sem tentar entendê-los, é prepotente e não dar certo. Muitas vezes nós baseamos o que achamos deles em nossas próprias experiências quando éramos jovens; os tempos mudam.

Quantas vezes nós temos nos achado falando: “Quando eu era jovem….” Eu lembro que, quando minha mão falava essa frase, eu e meus irmãos sempre pensávamos: “E daí? Os tempos mudam.” O que era, quando minha mãe era jovem, nem sempre era relevante pra mim como jovem, só que ela não sacou isso. E o que era relevante quando nós éramos jovens, não é sempre relevante para essa geração. Não importa o que sua igreja fez com seus jovens há 20 anos atrás, e o que deu certo, ou como vocês agiram. O que importa é de você entender que hoje é um dia diferente, com desafios diferentes e uma geração diferente. Tente entender eles.

As últimas pesquisas têm descoberto umas estatísticas assustadoras. Por exemplo, entre jovens crescendo nas igrejas:

• 63% não acreditam que Jesus é o Filho do único verdadeiro Deus.
• 51% não acreditam que Jesus ressuscitou.
• 68% não acreditam que o Espírito Santo é uma entidade real.
• Tem sido estimado que entre 69% e 94% de jovens criados na igreja estão saindo da igreja tradicional depois segundo grau, e poucos estão voltando.
• Somente 33% dos jovens na igreja falam que a igreja vai fazer parte das suas vidas depois deles saírem da casa dos seus pais.
(Josh McDowell – The Last Christian Generation)

Se essas estatísticas não assusta até o mais poderoso de nós, nada vai. Como que pode existir uma geração bem dentro da igreja que nem acredita que Jesus é o filho de Deus e que não ressuscitou dos mortos, nem fala do Espírito Santo? O que estamos ensinando aos nossos jovens? E talvez aí nós achamos o maior erro; nós não estamos ensinando eles mais. Nós temos trocado os ensinos bíblicos por entretenimento, som, luzes e filmes, tentando competir com um mundo de qual nós não temos a menor possibilidade de superar. Nosso chamado nunca era para ser o melhor entretenimento de sábado, mas de ensinar, segundo o último mandato de Jesus aos discípulos.

Mateus 28:19-20 “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século.”

Nós temos agora o que eu chamo carinhosamente de uma “geração burra”. Essa geração foi ensinada e motivada a entrar no seu quarto, fechar sua porta e ligar um CD de um dos últimos “pop-stars” do mundo da adoração e chorar no tapete. Não há nada errado nisso se acompanhar outras coisas mais sólidas, tipo mudança de vida e comportamento. Não que a adoração não é algo sólido, mas não podemos trocar a leitura e estudo da palavra por um tempo que às vezes passa por nada mais do que uma experiência emocional que resulta em nenhuma mudança em nossas vidas. Experiências que não dão resultados não valem muito no fim do dia. As experiências que vemos na bíblia (o livro que foi trocado por CDs) geralmente resultaram em mudanças de caráter ou direção. Deus marcou mesmo essas pessoas e nós vemos os resultados na suas histórias depois. Então, quero saber dos resultados desse tempo que essa geração tem gastado “na presença de Deus”. E, só para saber, porque ela é mais podre do que nunca? E, por que o pecado é tão prevalente em nossas equipes de louvor? Será que eles não têm deixado catarro suficiente no chão? Tem algo grande faltando aqui: o ensino.

“De que maneira poderá o jovem guardar puro o seu caminho?”

Uma boa pergunta, eu acho, e bem colocada. Mas, o que será a resposta, e onde nós vamos achá-la?

Salmos 119:9 “De que maneira poderá o jovem guardar puro o seu caminho? Observando-o segundo a Tua Palavra. De todo o coração te busquei; não me deixes fugir aos teus mandamentos. Guardo no coração as Tuas palavras, para não pecar contra Ti.”

Imagine só! Uma resposta achada na bíblia. Que louco! E esse é o problema. Nós temos nos esquecido que é através da Palavra de Deus que vem as respostas. Como um jovem vai observar algo que ele não sabe? Como ele vai evitar fugir de um mandamento que não conhece? E como ele vai guardar algo no seu coração que ele nunca leu ou ouviu ser pregado? A resposta óbvia é que ele não vai. Ele não vai nada além de continuar na sua vida cheia de pecado, fingindo que não é, para poder acompanhar o resto dos mentirosos na sua igreja. Não faz muito tempo que a leitura da Palavra de Deus fez parte da vida cristã, mas com esse século moderno que vivemos, achamos que não precisamos mais desse livro “velho e chato”. Claro que ninguém falaria assim, mas as ações falam mais altos do que as próprias palavras. E por isso, nós temos em nossas mãos uma geração burra de nossa criação, uma geração ignorante das coisas de Deus. Tudo falta de ensino. Tudo culpa nossa. Nós temos que voltar às nossas raízes.

“Tem sido estimado que entre 69% e 94% de jovens criados na igreja estão saindo da igreja tradicional depois do segundo grau, e poucos estão voltando.”

Que grande segredo! Nós vemos cada dia mais jovens saindo da instituição chamada igreja e pensamos “Por que será?”. Talvez porque a igreja não é mais relativa para eles. Nós cantamos cânticos dos quais nem nós mesmos sabemos o significado de todas as palavras, num estilo que nem chega perto do gosto deles e, em muitos casos, os proíbimos de ouvir o som que eles gostam, pois “rock é do diabo”. Nós pregamos mensagens para os pais deles na esperança que eles vão entender algo. Só um alô para os mais lerdos: eles nunca vão se interessar em mensagens para uma outra geração, na mesma maneira que os pais deles não vão querer estar numa conferência de jovens, tratando de assuntos de jovens que não tem nada a ver com suas vidas. Meio óbvio, não é? E nós falamos para eles mudarem seu estilo, “Corte seu cabelo. Tire seus brincos e, pelo amor de Deus, tire aquele piercing que é uma entrada de demônios na sua vida.” E tudo isso no culto de sábado feito para os próprios jovens que estamos perdendo.

Por que será que os jovens estão saindo das igrejas? Porque a igreja está perdida. Ela se perdeu há muito tempo atrás quando decidiu viver por homens e agradar eles; quando os músicos começaram a tocar pelos aplausos dos homens e seu próprio reconhecimento; quando os seus profetas começaram dar ouvidos a outros profetas e não a Deus; quando ela começou a criar regras que não tem nada a ver com nada e parou de abordar aos assuntos claros na bíblia em relação de santidade; quando ela decidiu fazer os cultos para os gostos dos homens e não para Deus. Por que será eles estão saindo da igreja? O que tem para segurar eles? Aparentemente não muito; entre 69% e 94% de jovens criados na igreja estão saindo.

E o mais assustador é o fato que, de cara, dos 10% que ainda estão na igreja, eles falam que 67% deles não vão continuar nos deixando com aproximadamente 3% de uma geração. Para quem os donos das igrejas hoje em dia vão passar a bastão? E para quem esses vão pregar? Se algo não muda radicalmente em todo sentido, nossa geração pode ser a última. A igreja como nós conhecemos vai fechar suas portas por falta de alguém entrar nela e alguém agar as suas contas. Se acorde! Estamos em tempos perigosos e difíceis. Chegou a hora de agir, e rapidamente, antes que seja tarde demais.

Deus nos ajude.

Jeff

Texto retirado do site: www.geracaobenjamim.com
Autor: Pr. Jeff Fromholz
Data da publicação: 08/06/2007